Mulheres da Vida Airada #3: Rosa Parks

4 de fevereiro de 2019

D.R.

Nascida a 4 de fevereiro de 1913, em Tuskegee, no Alabama, Estados Unidos da América (EUA), Rose Louise McCauley não imaginava que se viria a tornar numa das figuras mais emblemáticas da luta pelo fim da segregação racial no país.
Enquanto crescia, Rosa Parks foi muitas vezes confrontada com discriminação racial e violência. Por esse motivo, cedo se tornou ativista pelo Movimento dos direitos civis dos negros nos Estados Unidos. Estudou na Alabama Teachers’ College for Negroes até aos 16 anos, quando foi obrigada a abandonar os estudos para cuidar da avó e da mãe, ambas doentes.
Rosa casou em 1932, aos 19 anos. O marido, Raymond Parks, também lutava pelo fim da segregação racial, e juntos trabalharam com várias organizações sociais.

A 1 de dezembro de 1955, a vida de Rosa Parks mudou quando, num autocarro em Montgomery, Alabama, ela contrariou as regras de segregação racial que imperavam nos Estados Unidos da América naquela época. Na altura, brancos e negros tinham espaços diferentes para trabalhar, para estar, não tinham acesso às mesmas coisas e nem as casas-de-banho partilhavam. Nos autocarros, os afroamericanos tinham de se sentar nos lugares ao fundo, e os bancos da frente estavam reservados para os brancos. Nesse dia, já não havia mais lugares na secção “branca” e um homem estava de pé. O motorista pediu às quatro pessoas que estavam na primeira fila da secção “negra” que se levantassem e cedessem o lugar ao homem branco. Três obedeceram. Rosa Parks não. No próprio dia, Rosa foi presa por ter recusado dar o seu lugar. Foi também despedida por ter participado no boicote.


D.R.
Foi o início de um dos maiores movimentos sociais da história, o Boicote aos Autocarros de Montgomery. Durante o período de boicote, a comunidade afroamericana deixou de usar os autocarros. Este foi desencadeado pelo Movimento pelos Direitos Cívicos que lutava pelo fim da segregação racial nos EUA, sob a liderança de Martin Luther King. O boicote terminou a 20 de dezembro de 1956 (mais de um ano depois), quando os autocarros da cidade de Montgomery deixaram de estar legalmente sujeitos ao regime de segregação racial. Rosa foi eleita secretária da secção de Montgomery da Associação Nacional para o Progresso de Pessoas de Cor (NAACP).

 "As pessoas dizem que eu não cedi o meu lugar porque estava cansada, mas isso não é verdade. Eu não estava cansada fisicamente, nem mais cansada do que o normal ao fim de um dia de trabalho. Eu não era velha, embora algumas pessoas tenham a ideia de que era velha na altura. Eu tinha quarenta e dois anos. Só estava cansada de ceder"
- Rosa Parks

Depois do boicote, Rosa e Raymond mudaram-se para Detroit, no Michigan. Entre 1977 e 1979, Rosa perdeu o marido, o irmão e a mãe, todos vítimas de cancro.
Em 1987, ela fundou o Rosa and Raymond Parks Institute for Self-Development, que tem como missão motivar os jovens dos 11 aos 17 anos a desenvolver as suas capacidades. Escreveu também uma autobiografia, “Rosa Parks: My Story”. Em 1999, foi condecorada com a Medalha de Ouro do Congresso, a maior honra que os Estados Unidos outorgam a um civil.
Faleceu a 24 de outubro de 2005, aos 92 anos, e deixou para trás um legado de resistência contra a discriminação racial. Foi a primeira mulher na história dos Estados Unidos cujo caixão foi colocado no Capitólio para que lhe prestassem homenagem.


D.R.

" Cada pessoa deve viver a sua vida como um modelo para os outros"
- Rosa Parks

- Andreia Rodrigues

2 comentários

Latest Instagrams

© Mulheres da Vida Airada. Design by FCD.